terça-feira, 20 de novembro de 2012

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade Intergeracional O Farol - Simplesmente Fascinante

Vale a pena ver!


Porque 2012, é o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade Intergeracional , vi este vídeo no blog da amiga Maria da Luz e não pude deixar de partilhar...

A vida em toda a sua verdade...

sábado, 17 de novembro de 2012

Presépio 2012 (addicted to Christmas)

Enquanto não faço o meu,(estou quase a começar) aqui ficam as imagens do maravilhoso Presépio que está exposto no Cascais shopping. Ainda maior e mais belo que o do ano passado, com muito mais figuras, faz a delícia de quem por lá passa e como eu, adora as decorações do Natal.
video
Todo feito à escala e de acordo com o lugar e a época, com figuras que se mexem, este Presépio é uma obra de arte artesanal que vale a pena ver.

sábado, 3 de novembro de 2012

Respeito é...

Mais uma poesia que escrevi para este mês trabalhar com as minhas crianças.
Claro que este tema é transversal a toda e qualquer prática educativa, mas vamos aproveitar para relembrar algumas regras, avaliar o seu cumprimento, talvez até criar  outras mais adequadas ao momento e às necessidades atuais do grupo de crianças.
Aqui fica a partilha, espero que vos seja útil :)

domingo, 28 de outubro de 2012

Vale a pena refletir neste texto que a educadora Juca partilhou no facebook...

Os pais estão diferentes?
“Novos pais, novas crianças” era o tema do Congresso Pré-Escolar, organizado pela Porto Editora. E a pergunta, obviamente, impõe-se: os pais estão diferentes? A resposta é unânime. Basta comparar os modos de pensar e de agir e, com eles, as formas de comunicar, conviver, aprender, consumir, vestir… as diferenças entre gerações são, de facto, óbvias (afinal, a sociedade em que vivemos - e até o ar que respiramos - está, também ela diferente!). Estranho seria não estarmos diferentes.
Recuemos uns anos – e não são precisos muitos – e vejamos em que se traduz a diferença. Os pais estão, indiscutivelmente, mais ativos, participativos, atentos, informados, empenhados e preocupados. Mas também, concordam pediatras, psicólogos e educadores, mais permissivos, submissos e tolerantes, quantas vezes baralhados e “perdidos”. E, nalguns casos, mais “desprendidos” da sua missão de transmitir valores e raízes, delegando noutros a delicada tarefa de educar (o psicólogo canadiano Gordon Neudeld alerta, nesta edição, para o facto do papel dos adultos ter vindo a ser substituído nos últimos anos pelo dos amigos).
Perante tal cenário (e muitas “queixas” por parte dos educadores de infância), ficaram no congresso alguns recados: que os pais devem impor-se, exercer a autoridade e estabelecer regras. Sem medo de definir limites ou ignorar birras, sem pruridos de quebrar normas, pedir desculpa ou admitir o erro. E nada disto é incompatível com brincadeiras – “Brinquem com os vossos filhos!”, desafiou o pediatra Paulo Oom - vínculos e afetos. Pelo contrário. Porque é precisamente com estas “armas” simples que tão bem dominamos que podemos, suave mas firmemente, lançar ordens e incutir princípios. Porque, por mais diferentes que estejam os pais, a brincadeira continua a ser a forma mais divertida de ensinar e o amor o modo mais eficaz (e sublime) de conquistar (e educar) corações.
Lá fora, entre raios de sol e nuvens carregadas, caem as primeiras chuvas. Gosto destes primeiros dias de outono. A brisa fresca da manhã a pedir um agasalho, o cheiro das gotas de água na terra seca, as árvores a despir-se de folhas, a paisagem emoldurada em tons de cinza e castanho. Melancólico, o cenário é também sinal do poder renovador (e reconfortante) da natureza. E, com a renovação, a esperança. Por mais ventos e tempestades que se avizinhem…

Helena Gatinho

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Arte...

Talvez dos textos mais bonitos, mais simples e mais profundos sobre a arte, se se quiser extrapolar para os “leitores” da comunicação visual, quando dizem que não entendem o que um quadro/artista quer/ia “dizer” com aquilo, que “até eu era ...capaz de fazer!”.


Mais palavras para quê?
Pede-se a uma criança: Desenha uma flor! Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala onde não há mais ninguém. Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras; umas mais carregadas, outras mais leves; umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase não resistiu. Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era demais. Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: Uma flor! As pessoas não acham parecidas estas linhas com as de uma flor! Contudo a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça, à procura das linhas com que se faz uma flor, e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas, são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!”



Almada Negreiros, in "O Regresso ou o Homem Sentado - III parte"   Espaço Psicologia, Facebook

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

eu me identifico...

Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende. Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir!...

____________Cora Coralina In "coisas que eu sei"

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Poema, Afeto

Este ano, na minha escola, vamos debruçar-nos de um modo especial sobre Os Valores em educação e nada melhor do que começar pelo Afeto.
Não há educação sem afeto, a relação afetiva entre educadores e crianças é essencial ao seu crescimento e desenvolvimento harmonioso de todas as suas capacidades, aceitação de regras e limites



"Mas, afinal, o que é afeto? É fazer carinho? Carinho é sempre bom, mas o afeto vai além, muito além. No que se refere a carinho, mais do que fazer, é tratar com carinho. Afeto é ter aquela atenção genuína, que vem naturalmente de dentro e que a gente só consegue dispensar àquelas pessoas que também são afetuosas conosco."

Aqui fica o poema que criei para introduzir o tema :)

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Na minha escola...

Aqui fica a partilha de mais uma poesia, a ser usada neste recomeço de atividade escolar.
A todos os colegas e amigos os meus votos de um ano letivo muito feliz,cheio de projetos concretizados!

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Avós de outros tempos...

Vejam este artigo redigido por uma menina de 7 anos e publicado no Jornal do Cartaxo há uns tempos.


Delicie-se!

«Uma Avó é uma mulher que não tem filhos, por isso gosta dos filhos dos outros.
As Avós não têm nada para fazer, é só estarem ali.
Quando nos levam a passear, andam devagar e não pisam as flores bonitas nem as lagartas.
Nunca dizem "Despacha-te!".
Normalmente são gordas, mas mesmo assim conseguem apertar-nos os sapatos.
Sabem sempre que a gente quer mais uma fatia de bolo ou uma fatia maior.
As Avós usam óculos e às vezes até conseguem tirar os dentes.
Quando nos contam histórias, nunca saltam bocados e nunca se importam de contar a mesma história várias vezes.
As Avós são as únicas pessoas grandes que têm sempre tempo.
Não são tão fracas como dizem, apesar de morrerem mais vezes do que nós.
Toda a gente deve fazer o possível por ter uma Avó, sobretudo se não tiver televisão

Não é fabulosa a mente de uma criança?

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Aqui fica a partilha da apresentação que fiz para a última reunião de pais e que retrata algumas das atividades e momentos mais significativos da nossa vida na escola, este ano.
Este é um trabalho muito moroso , mas vale a pena pois os pais ficam com uma recordação da vida escolar dos seus filhos e entram um pouco na sala de jardim de Infância.
Podem aqui ser vistos muitos dos projetos e atividades que realizamos no âmbito de desenvolver a relação escola /família,  fundamental para um melhor desenvolvimento global das nossas crianças.
É com muito gosto que sentimos o interesse dos pais e a sua participação  a 100%.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Aqui fica a partilha de um apoesia que escrevi sobre O Escultor,  pois este era um dos temas a trabalhar no nosso projeto pedagógico e não encontrei nenhuma já feita que servisse os objetivos que planeara para o meu grupo de crianças.
 Espero que gostem :)

sábado, 19 de maio de 2012

Entrevista o rosto das expressões

A pedido de  alguns amigos aqui fica a digitalização da entrevista sobre a minha poesia para crianças que foi publicada na revista Educadores de Infância de Abril. ♥
Pare ler o texto de forma definida ,clicar na imagem para ela abrir, depois de aberta clicar com a tecla direita do rato e selecionar "Guardar imagem como" e guardar no ambiente de trabalho como imagem; estando no PC, em vez de abrir a foto com o Windows Picture Viewer, abrir com o Picture Manager onde se pode ampliar sem a foto perder definição.

domingo, 6 de maio de 2012

Dia da Mãe

Para a minha Mãe, o amor mais incondicional que senti na minha vida.
Onde estiveres,"eu sei que vou te amar, por toda a minha vida eu vou te amar"

sábado, 28 de abril de 2012

O saber...

"Tu sabes tudo Rosarinho"-diz o Guilherme numa daquelas conversas deliciosa de início de manhã.
"Sabes mais que o meu pai"-diz outra voz
E a minha mãe,  ainda outro
E eu digo-lhes; mesmo que deliciada por ser a heroína deste grupo adorável,
_Não amigos ninguém sabe tudo e todos sabemos mais dumas coisas que de outras...,como voçês, uns são melhores a desenhar, outros a cantar, outros a representar, outros a jogar à bola...
Mas, realmente, é  uma tarefa de grande responsabilidade não defraudar as espectativas das nossas crianças e os educadores devem ter bem presente esta noção.

terça-feira, 24 de abril de 2012

25 de Abril para crianças...

Um poema que escrevi para falar do 25 de abril às crianças, pois acho que faz parte da educação para a cidadania ir conhecendo os fatos mais relevantes da nossa história.

sábado, 21 de abril de 2012

40 000 VISITAS, OBRIGADA!

Dia do beijo

Mais uma vez aqui partilho um poema escrito para falar do beijo às Crianças.

Dia Mundial do beijo


Um Beijo

Este beijo que aqui chega,
Veio por certo a voar,
É uma forma de carinho,
Que vamos tentar explicar

Um beijinho da mamã
É doce e saboroso,
Para a criança pequena,
Nada é mais gostoso.

Um beijinho do papá,
É ternura e alento
É sempre um forte incentivo,
É um terno cumprimento.

Um beijo do meu amigo,
É um laço de amizade
É um sim, eu estou contigo,
Partilho a tua verdade.

Um beijo de namorados,
É calor e é paixão,
É sentir que batem juntos,
O teu e o meu coração.

Há tantos beijos que se atiram,
Não fiquem perdidos no ar!
Voem depressa libertos,
Para o dia de alguém alegrar!
Rosarinho/

terça-feira, 10 de abril de 2012

Hoje fui, mais uma vez, a pedido da Câmara Municipal de Sintra, dar uma formação sobre as Expressões no Jardim de Infância. Pelo feed back que tive das formandas, foi uma experiência muito enriquecedora para ambas as partes
Eu limitei-me a mostrar o modo como faço a minha prática com as minhas crianças. Como conto uma história, como as convido a fazer uma dramatização, as várias formas de explorar a música, a canção, a poesia , o jogo.
Penso que só conseguimos transmitir aquilo que vivemos, aquilo que somos, o que há dentro de nós.
Obrigada a todas pela vossa participação :) O meu agradecimento à Drª Emília Tavares Mila pelo convite, que foi também um desafio :)

sábado, 7 de abril de 2012


Dia da Saúde,

Crescer saudável



Eu ainda sou criança,
                                                               Mas preciso de saber

O que devo fazer

Se saudável quero ser.



Devo alimentar-me bem,

Leite, pão ou cereais,

Não esquecendo nunca a fruta

E todos os vegetais.



A carne o peixe e os ovos,

Um pouco em cada dia,

Comer tudo com moderação,

Para ter boa energia.

 


Deitar cedo e dormir bem,

Também é essencial,

Pois se andamos cansados,

Tudo parece correr mal.



Praticar um bom desporto,

Brincar muito e até correr,

Também é muito importante,

Para eu me desenvolver.



Devo cuidar do meu corpo,

Sempre limpo, bem lavado,

Lavar muito bem os dentes.

E ter o cabelo asseado.



Mas ser saudável também,

É estudar e aprender,

Ler bons livros conversar,

Ter amigos a valer.



Enfim, tudo faz parte,

Do processo de crescer,

Pois eu quero ser saudável
E muitos anos viver!

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil 2012:


A mensagem deste ano é do escritor mexicano Francisco Hinoja:



Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro. Na verdade não era só um, mas muitos os contos que enchiam o mundo com as suas histórias de meninas desobedientes e lobos sedutores, de sapatinhos de cristal e príncipes apaixonados, de gatos astutos e soldadinhos de chumbo, de gigantes bonacheirões e fábricas de chocolate. Encheram o mundo de palavras, de inteligência, de imagens, de personagens extraordinárias. Permitiram risos, encantos e convívios. Carregaram-no de significado. E desde então os contos continuam a multiplicar-se para nos dizerem mil e uma vezes: “Era uma vez um conto que contava o mundo inteiro…”


Quando lemos, contamos ou ouvimos contos, cultivamos a imaginação, como se fosse necessário dar-lhe treino para a mantermos em forma. Um dia, sem que o saibamos certamente, uma dessas histórias entrará na nossa vida para arranjar soluções originais para os obstáculos que se nos coloquem no caminho.

Quando lemos, contamos ou ouvimos contos em voz alta, estamos a repetir um ritual muito antigo que cumpriu um papel fundamental na história da civilização: construir uma comunidade. À volta dos contos reuniram-se as culturas, as épocas e as gerações, para nos dizerem que japoneses, alemães e mexicanos são um só; como um só são os que viveram no século XVII e nós mesmos, que lemos um conto na Internet; e os avós, os pais e os filhos. Os contos chegam iguais aos seres humanos, apesar das nossas grandes diferenças, porque no fundo todos somos os seus protagonistas.

Ao contrário dos organismos vivos, que nascem, reproduzem-se e morrem, os contos são fecundos e imortais, em especial os da tradição oral, que se adequam às circunstâncias e ao contexto do momento em que são contados ou rescritos. E são contos que nos tornam seus autores quando os recontamos ou ouvimos.

E também era uma vez um país cheio de mitos, contos e lendas que viajaram durante séculos, de boca em boca, para mostrar a sua ideia de criação, para narrar a sua história, para oferecer a sua riqueza cultural, para aguçar a curiosidade e levar sorrisos aos lábios. Era igualmente um país onde poucos habitantes tinham acesso aos livros. Mas isso é uma história que já começou a mudar. Hoje os contos estão a chegar cada vez mais aos lugares distantes do meu país, o México. E, ao encontrarem os seus leitores, estão a cumprir o seu papel de criar comunidades, de criar famílias e de criar indivíduos com maior possibilidade de serem felizes.



(trad. Maria Carlos Loureiro)



segunda-feira, 2 de abril de 2012

Dia Internacional do Livro Infantil

Hoje, Dia Internacional do livro infantil, aqui partilho uma poesia que escrevi e foi publicada na revista Educadores de Infância de Abril ☺

sexta-feira, 2 de março de 2012

Dia do Pai

Aqui partilho um poema acabado de escrever para trabalhar com as crianças os afetos, no Dia do Pai.


Se gostarem, comentem :)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Eu acredito!

A Idade de Ser Feliz

Existe somente uma idade para a gente ser feliz,
somente uma época na vida de cada pessoa
em que é possível sonhar e fazer planos
e ter energia bastante para realizá-las
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda intensidade
sem medo, nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar
e recriar a vida,
a nossa própria imagem e semelhança
e vestir-se com todas as cores
e experimentar todos os sabores
e entregar-se a todos os amores
sem preconceito nem pudor.

Tempo de entusiasmo e coragem
em que todo o desafio é mais um convite à luta
que a gente enfrenta com toda disposição
de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.

Essa idade tão fugaz na vida da gente
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa.

Mário Quintana

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Mais uma reflexão de Augusto Cury

"Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro, você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude!"
Augusto Cury